Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Estúpido Aluga-se

A estupidez é o nosso melhor produto, por isso para exportação é favor contactar o Estúpido. https://www.facebook.com/ricardo.santos.5095

Estúpido Aluga-se

Apesar do AO ser um aborto linguistico irrita-me mais ler castelhano como se fosse Português.

É ridículo que em pleno século XXI tenhamos de ser confundidos com Espanha com a conivência dos distribuidores.

Já são demasiadas vezes que adquiro um produto que vem sem informação na língua de Camões, atendendo à forma como o Acordo Ortográfico foi legislado até entendo o desinteresse da maior parte dos consumidores por este pormenor, mas eu não posso deixar em claro esta ilegalidade perpetuada por muitos comerciantes.

A lei é clara:

De acordo com o Dec-Lei nº 238/86, de 19 de Agosto, o consumidor tem direito a que os livros de instruções e outros meios de informação relativos aos bens vendidos em Portugal sejam redigidos em línguas portuguesa (Dec-Lei nº238/86, de 19 de Agosto, alterado pelo Dec-Lei nº 42/88, de 6 de Fevereiro). Entende-se que a não entrega do livro de instruções na língua portuguesa compromete a utilização adequada do bem, verificando-se a desconformidade com o contrato (compra e venda).

Ou seja, alem da exigência do livro de instruções em português, considera-se que o vendedor não está a cumprir o contrato. Acho um desaforo maior quando vêm identificadas seis a sete línguas diferentes(sendo nenhuma delas mais falada no mundo que o Português) e para Portugal venha em castelhano.

Sou Português e como tal não posso aceitar esta conivência mercantil que troca a nossa nacionalidade por toma lá dá cá.

Esta semana escrevi no livro de reclamações e espero das autoridades a obrigação no cumprimento da lei, só espero que a resposta não venha ela também em castelhano.

12278687_1010039522379480_4798101690849963043_n.jp